quarta-feira, 2 de dezembro de 2015

A Vizinha Tocou...(3)

Nessa noite ao chegar à porta tocou… A porta não se abriu… Esperou… Tocou outra vez…
Deitou a mão ao puxador e com surpresa constatou que estava aberta, como um ladrão entrou pé ante pé… Vestia um vestido curto, justo, vermelho com pintas brancas, de alças… Encontrou-o nu no quarto de banho encostado à banca lava-mãos…
- Assustaste-me ao ter a porta aberta… Coloca a toalha na cintura, quero ser eu a tirar… Descalçou-se e desceu as alças dos ombros… Pousou-lhe as mãos nas ancas e beijou-o… Ele encostado deixou-se levar por ela… A toalha caiu-lhe da cintura… Dos ombros desceram as alças e nas coxas subiu o vestido para deixar as pernas abrirem-se assim deitada no chão do quarto de banho e com as pernas abraçar-lhe o corpo masculino que se deitou sobre ela… E o chão do quarto de banho serviu como leito onde eles soltaram mais uma vez o desejo de volúpia e paixão… Nas costas sentia o frio do chão, sobre o corpo sentia o calor do corpo dele… Dentro de si sentia-o a pulsar de desejo… A cada estocada dele arqueava as ancas para o receber mais fundo na sua fonte de prazer... Abraçou-lhe a cintura com as pernas a prendeu-o a si… Queria-o ali dentro mais e mais…
Aquela dupla personalidade deles deixava-os mais sedentos de desejo que à noite soltavam um no outro… O maior prazer era darem prazer um ao outro…
- Nunca me senti assim desejada… Eu sei que um dia isto acabará… Tanto da tua parte como da minha, mas quero usufruir o máximo de todos estes momentos lindos que temos proporcionado um ao outro… Desejo por prazer, prazer pelo desejo… Assim me sinto!... Durante o dia quando penso em ti sinto-me húmida, é difícil e doloroso esconder e aguentar… Obrigada por me fazeres sentir uma mulher desejada… Quero que me sintas assim… Somente…




Os dias passavam e o computador continuava estático em cima da secretária dele…