sábado, 17 de janeiro de 2015

O Electricista

Foi chamado para resolver um problema eléctrico...
Bateu à porta e ela apareceu...
- Foi aqui que chamaram por causa de um problema eléctrico?
Viu um homem à porta de bata de trabalho, só com dois botões apertados, o que mostrava o peito masculino… Os olhos dela, perderam-se por momentos ali naqueles botões desapertados…
- Sim foi!... Entre!...
 Mostrou-lhe onde tinha o problema na electricidade... Umas tomadas na sala e na cozinha não funcionavam bem...
- Vou trocar de roupa, pois cheguei agora do trabalho...
- Por mim pode ficar assim. A senhora está muito bem...
- Não me chame de senhora, não sou tão velha assim.
- Bem... É uma Mulher linda e muito elegante, isso é!...
Ela sorriu e foi até ao quarto a pensar no que aquele homem disse...
No quarto ao despir as calças o fecho prendeu e ela não conseguia solta-lo... Lembrou-se que o electricista devia ter ferramentas que talvez a ajudasse... Veio até onde ele estava pedir auxilio...
- Podia ajudar-me com este fecho das calças?
Ele olhou para ela e ficou paralisado.
Só nesse momento é que ela reparou que já tinha despido a blusa e só vestia o soutien. Tentou ser o mais natural possível e manteve-se firme...
- Ajude-me!.... E ela segurava nas calças, já com o fecho meio desapertado…
O electricista tinha na mão um alicate de corte e aproximou-se dela, olhou-a nos olhos e ela manteve uma calma aparente, porque por dentro sentia uma convulsão. Aqueles olhos penetravam-na… Sentiu as mão dele segurarem as calças e tremeu sem se controlar com o toque inevitável das mãos dele na pele da barriga…
- Olhe… Vou ter que desfazer o fecho pois está mesmo estragado…
- Faça como quiser, depois mando colocar outro…
E ele com o alicate de corte de fios eléctricos, cortou o fecho das calças que se abriram, e, ele pode ver até abaixo as calcinhas de cor lilás com aplicação de renda em torno da cintura… Ela segurou as calças e sorriu…
- Obrigada!... Se não estivesse aqui nem sei se conseguia despir-me…
Ele olhou-a de alto a baixo e o olhar fixou-se nos seios moldados pelo soutien lilás com uma pequena orla de renda a contornar os seios…
A mulher voltou-se e ele ficou a tentar reparar a avaria eléctrica naquela casa…
Foi até ao quarto com o corpo ainda a tremer pela proximidade das mãos duras daquele homem com a sua ‘intimidade’… Um desejo passou-lhe pela mente… “que as mãos daquele homem a tivessem invadido, que se tivessem metido debaixo das calcinhas para sentir o seu calor que era abrasador”… Compreendeu ele não o ter feito… Mas desejava!... Acabou de despir-se e foi tomar um banho quente… No banho fez a depilação completa como sempre, depois deitou-se na banheira, deixou o jacto do chuveiro acariciar-lhe o corpo e demorou o jacto quente ali entre as pernas onde o desejo era imenso…
Saiu do banho perfumada… Vestiu-se… Colocou um conjunto preto de soutien e calcinhas rendadas… Depois vestiu um vestido cingia-lhe o corpo em cima e mostrava os contornos do corpo, a saia do vestido mais solta pendia até à altura dos joelhos… Calçou umas meias que lhe deslizaram nas pernas e cingiram-lhe as coxas com o rendado que se colou à pele sedosa… Sentiu-se sedutora e o desejo que aquele homem a despisse era grande…
Sem inocência, veio até aonde o homem estava e viu-o aninhado junto de uma tomada a fazer umas ligações, ele tinha na mão uma faca de electricista para descarnar os fios…
Ao ouvir passos junto de si rodou o corpo e olhou-a de baixo a cima… Em contra luz a transparência do tecido deixou-o ver as pernas dela até cima e notou-lhe as calcinhas e o soutien na leveza e transparência do vestido…
- Ajuda-me mais uma vez?... Hoje apesar do azar com os fechos tenho a sorte de o ter aqui… Este fecho do vestido também encravou e não consigo fechar… Pode ajudar-me?... E voltou as costas para ele ver como o fecho estava ainda aberto…
Ele levantou-se e viu o fecho quase totalmente aberto… Via o soutien que contornava o corpo e as alças que subiam até aos ombros… Teve um tremor no corpo ao ter ali aquela mulher tão perto e tão sedutoramente vestida…
Ele ficou por detrás dela com a faca de electricista, uma faca bastante afiada. Viu que o fecho estava intacto e nada o prendia… Pensou: - Que será que esta mulher pretende? Vou tentar saber…
Ela viu-o com a faca na mão e sentiu um arrepio, não com medo que ele lhe fizesse mal, mas o perigo daquela lámina cortante junto da sua pele causava-lhe excitação… Sentiu as mãos dele pousarem-lhe nas costas e os dedos dele na pele, o seu corpo tremia sem saber o que podia acontecer… Sabia que tinha ido ali pedir ajuda desnecessária… Tinha a consciência de provocar uma situação de desejo que lhe consumia o intimo…
- O fecho do teu vestido está bom… (reparou que ele já a tratou por tu e gostou…) que queres que faça?... Fecho ou deixo estar assim?...
- Faz o que entenderes… Disse com tom convidativo na voz…
Os movimentos dele eram lentos… Cadenciados e meticulosos… Pegou na faca e passou a lámina pela pele das costas dela… O contacto daquele metal frio e cortante excitou-a imenso… Queria sentir mais… Sabia que ia sentir… E sentia a ponta da faca a deslizar na pele das costas… Um arrepio intenso de prazer invadiu-lhe o corpo quando ele pressionou a lâmina na pele, sentiu dor, mas uma dor que lhe causava prazer… Rodeou-lhe o corpo com um braço, apertou-lhe os seios moldados pelo soutien rendado que ele sentiu nos dedos sensíveis, o tesão dele subiu e ela sentiu-o nas nádegas tenuamente protegidas pelo vestido… De seguida ele meteu as mãos debaixo do vestido e abraçou-a com a faca numa das mãos, apertava-lhe os seios e a barriga enquanto lhe mordia ao de leve os ombros e sentia nos lábios a pele feminina macia, sedosa e perfumada… Depois virou a faca para a frente e cortou o vestido desde o decote até à barriga… Ela teve um arrepio de prazer misturado com o receio de ser ferida… Um medo que lhe causava tesão… O vestido já não importava, queria era sentir aquele homem com toda a sua força…
Inclinou-a sobre a mesa, arrancou-lhe as calcinhas, beijou-lhe as nádegas, mordeu-lhe a pele e lambeu-a profundamente… Ela suspirava com prazer e tesão que aquele homem lhe dava… Agarrou-a com força pela cintura e penetrou-a por detrás… Entrou nela profundo…Apoiou as mãos em cima da mesa e gemia de prazer ao sentir-se penetrada pelo homem… Sentia-se fêmea a ser montada… Delirava de prazer e desejo… Sentia-se agarrada fortemente pelo braços masculinos e empurrava-se de encontro aquele pénis duro e latejante que se lhe afundava no corpo…Sentiu-o sair de dentro de si e foi agarrada de frente para ele…
Viu-o pegar na faca outra vez…
Depois a faca percorreu a pele desde a barriga até ao soutien entre os seios… Ela olhava-o cheia de desejo com aquele perigo da faca que mais tesão lhe causava… Ele meteu a faca debaixo do soutien e forçou…
- Que vais fazer?... Perguntou ela…
Ele não respondeu… A resposta foi, de um golpe forte e preciso cortou o soutien, entre os seios, que caiu em dois pedaços e os seios ficaram ali à mercê dele…
Ele baixou-se um pouco e beijou-lhe os seios com os lábios a rodearem-lhe os mamilos que apertou e mordiscou…
Suspirando ao sentir os lábios dele nos mamilos foi-lhe desapertando a bata de trabalho e acariciou-lhe a pele…
Olharam-se nos olhos…
- Que forma violenta de despires e tirares o soutien a uma mulher… ADOREI!!!!....
Ele pousou a faca na mesa ali ao lado e agora o perigo dela era estar nas mãos daquele homem… Nesse perigo todo, ela entregou-se… O corpo dela, foi assaltado de forma intensa… Pelas mãos do homem, pelos lábios e língua…
Empurrou-o e caíram no chão sobre o tapete… Com ele de costas no chão ela abriu as pernas, ajoelhou-se sobre ele e deixou-se enterrar naquele pénis erecto que apontava para cima… Ondulava as ancas num ritmo louco até o orgasmo lhe invadiu o corpo em chamas… Queria vê-lo explodir para si… Afastou-se um pouco e pegou-lhe o pénis latejante, acariciou-o com as mãos e com a boca, até ele soltar um jacto de sémen que lhe molhou a cara e os lábios… Beijou-o intensamente até o sentir mais calmo…
Caiu sobre ele até a intensidade abrandar…
Depois… Ela foi até ao quarto e ele saiu…
As tomadas tinham que esperar por outro dia para serem consertadas…


Sem comentários:

Enviar um comentário